Ministério cobra rigoroso cumprimento das normas regulamentadoras

Segunda, 07 Agosto 2017 14:54

Órgão faz uso do Dia Nacional da Saúde e da Vigilância Sanitária, celebrado em 5 de agosto, para reiterar necessidade da estrita observância das NRs 07, 09, 17 e 32

No Dia Nacional da Saúde, celebrado 5 de agosto em homenagem ao médico sanitarista Oswaldo Cruz, que nasceu em 5 de agosto de 1872 e foi pioneiro no estudo de moléstias tropicais e da medicina experimental no Brasil, o Ministério do Trabalho reitera a importância do cumprimento das exigências contidas nas Normas Regulamentadoras (NRs) 07, 09 e 17, que têm foco na proteção da saúde de todos os trabalhadores, e da NR 32, implementada para garantir medidas de proteção dos trabalhadores que atuam na área de saúde. A data de 5 de agosto também marca o Dia Nacional de Vigilância Sanitária

“É indispensável que tanto empregadores quando trabalhadores conheçam bem essas Normas, como forma de preservar a segurança e a saúde dos trabalhadores. A Inspeção do Trabalho atua continuamente para garantir que as medidas de proteção sejam executadas de forma adequada pelas empresas”, afirma o auditor-fiscal do Trabalho, Jeferson Seidler, que atua no Departamento de Segurança e Saúde da Secretaria de Inspeção do Trabalho (SIT) do Ministério do Trabalho.

As NRs 07, 09 e 17 tratam, respectivamente, do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional, do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais e da Ergonomia. As ações previstas nessas normas devem ser totalmente integradas, com avaliação minuciosa dos riscos físicos, químicos, biológicos e das condições ergonômicas do trabalho, com planejamento e implantação de medidas de controle eficazes e o monitoramento médico de todos os trabalhadores. Cabe ao empregador fornecer aos trabalhadores instruções escritas e, se necessário, afixar cartazes sobre os procedimentos a serem adotados em caso de acidente ou incidente grave, informando sobre os riscos existentes, suas causas e as medidas preventivas a serem adotadas.

A Norma Regulamentadora 32 tem por finalidade estabelecer as diretrizes básicas para a implementação de medidas de proteção à segurança e à saúde dos trabalhadores em estabelecimentos de assistência à saúde, bem como daqueles que exercem atividades de promoção e assistência à saúde em geral. Entende-se por estabelecimentos de assistência à saúde qualquer edificação destinada à prestação de assistência à saúde, em qualquer nível de complexidade, em regime de internação ou não.

Escrito por  Edvaldo Santos)

Semana do Motorista 2017 – ” DIRIGIR COM SEGURANÇA É UM ATO DE AMOR À FAMÍLIA” – Mednet Piracicaba

A unidade Mednet de Piracicaba, marcou presença na semana do motorista:

A primeira ação ocorreu com o “Programa Fadiga Zero”, realizado no pátio de Triagem Raízen, dentre os dias 24/07 à 28/07. O intuito do evento foi sobre: cuidar da saúde dos motoristas, com aferição de pressão, exame de bioimpedância, palestras sobre Nutrição e Fadiga, com entrega de brindes, Kit Higiênico, canetas e crachá “Seu Amigo do Peito” com histórico para anotação da pressão ao longo do ano, glicose e tipo sanguíneo.

Já no dia 29/07 ocorreu o “Encontro de Esposas” – Transportadora Veronese. Participação da MedNet com Programa Fadiga Zero – cuidando da saúde dos familiares dos motoristas: aferição de pressão, exame de bioimpedância, palestras sobre Nutrição e Fadiga, entrega de brindes, Kit Higiênico, e  crachá “Seu Amigo do Peito” com histórico para anotação da pressão ao longo do ano, glicose e tipo sanguíneo.

E por último, no período de 24/07 até 28/07 ocorreu a “Semana do Motorista 2017” – Transportadora Transjordano.  A MedNet marcou presença mais uma vez, participando com Programa Fadiga Zero, ministramos a palestra sobre Medicina do Sono. Cuidaram também da saúde dos motoristas e colaboradores da empresa, fazendo aferição de pressão e entrega de Kits Higiênicos.

Confira abaixo alguns cliques do evento:

Top of Mind de RH celebra empresas e profissionais indicados ao prêmio em evento em SP

Na noite do dia 28/06 marcou mais uma importante etapa do processo de votação da 20ª edição do Top of Mind de RH, principal prêmio de reconhecimento de marca do mercado de Recursos Humanos brasileiro. Com a presença de centenas de executivos representando as mais destacadas organizações que atuam junto ao mercado de RH, o evento conhecido como “Top5” aconteceu na Associação dos Procuradores do Estado de São Paulo (Apesp), em São Paulo.

O Top5 celebra e reconhece todas as cinco empresas e profissionais mais lembrados em cada uma das 34 categorias do Top of Mind de RH. Essas categorias são divididas em três grupos diferentes: Empresas Fornecedoras de Produtos e Serviços para o RH, Empresas com Práticas Reconhecidas e Profissionais de Destaque.

“Este é um momento muito marcante e especial, em que as empresas festejam o reconhecimento por estarem entre as cinco mais lembradas em seus segmentos específicos. E já aproveitam para projetar as ações para a segunda fase da votação, que vai decidir quem é o mais lembrado entre os cinco concorrentes”, diz Carlos Temistocle, diretor comercial da Fênix Editora, que organiza a premiação desde sua primeira edição, ocorrida em 1998.

O evento foi marcado por muita descontração, networking de alto nível e a aguardada entrega das placas comemorativas para os indicados. “Fica cada vez mais claro que essas empresas já são vencedoras. É claro que todas querem o troféu que será entregue na noite de 20 de outubro, no Tom Brasil, para a empresa ou profissional mais lembrado em cada categoria, mas é evidente que, em um mercado tão competitivo e maduro como este, estar entre os cinco indicados já é uma grande vitória. É por isso que todos celebram”, explica Temistocle.

E nós do Grupo Mednet, estamos lisonjeados de estar nessa lista dentre os finalistas!  Para conhecer a lista completa das empresas e profissionais indicados ao Top of Mind de RH 2017 e votar em nós, basta acessar o site www.topofmindderh.com.br.

Confira as fotos do evento:

 

 

Nova unidade MedNet inaugura hoje!

Malária: sintomas, tratamentos e causas

O que é Malária?

Malária é uma doença infecciosa febril aguda transmitida pela picada da fêmea do mosquito Anopheles, infectada por Plasmodium.

Transmissão

A transmissão ocorre após picada da fêmea do mosquito Anopheles, infectada por protozoários do gênero Plasmodium. No Brasil, três espécies estão associadas à malária em seres humanos: P. vivax, P. falciparum e P. malariae.

O protozoário é transmitido ao homem pelo sangue, geralmente através da picada da fêmea do mosquito Anopheles, infectada por Plasmodium ou, mais raramente, por outro tipo de meio que coloque o sangue de uma pessoa infectada em contato com o de outra sadia, como o compartilhamento de seringas (consumidores de drogas), transfusão de sangue ou até mesmo de mãe para feto, na gravidez.

Sintomas de Malária

Os sintomas mais comuns são: calafrios, febre alta (no início contínua e depois com frequência de três em três dias), dores de cabeça e musculares, taquicardia, aumento do baço e, por vezes, delírios. No caso de infecção por P. falciparum, também existe uma chance em dez de se desenvolver o que se chama de malária cerebral, responsável por cerca de 80% dos casos letais da doença. Além dos sintomas correntes, aparece ligeira rigidez na nuca, perturbações sensoriais, desorientação, sonolência ou excitação, convulsões, vômitos e dores de cabeça, podendo o paciente chegar ao coma.

Tratamento de Malária

A decisão de como tratar o paciente com malária deve estar de acordo com o Manual de Terapêutica da Malária, editado pelo Ministério da Saúde, e ser orientada pelos seguintes aspectos:

  • Espécie de plasmódio dependendo da espécie de plasmódio o paciente vai receber um tipo de tratamento
  • Gravidade da doença – pela necessidade de drogas injetáveis de ação mais rápida sobre os parasitos, visando reduzir a letalidade.
  • Prevenção

    Medidas de prevenção individual: uso de mosquiteiros impregnados ou não com inseticidas, roupas que protejam pernas e braços, telas em portas e janelas, uso de repelentes.

    Medidas de prevenção coletiva: drenagem, pequenas obras de saneamento para eliminação de criadouros do vetor, aterro, limpeza das margens dos criadouros, modificação do fluxo da água, controle da vegetação aquática, melhoramento da moradia e das condições de trabalho, uso racional da terra.

    (Fonte: minhavida.com.br)

Alteração NR n.º 34 – Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval

Segue arquivo em anexo para download: PORTARIA MTb Nº 790, DE 9 DE JUNHO DE 2017

Horários especiais devido ao feriado 15/06

Junho Vermelho conscientiza brasileiros sobre importância de se doar de sangue o ano todo.

No dia 1º de junho, quinta-feira, monumentos e instituições de São Paulo, Bahia, Rio de Janeiro, Paraná, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina foram iluminadas na cor vermelha indicando o início da campanha Junho Vermelho, que tem como objetivo estimular a doação de sangue durante o inverno, quando há uma redução nos estoques e um crescimento na demanda devido aos acidentes durante as férias de julho.

Mais do que marcar um período, a iniciativa foi criada pelo Movimento Eu Dou Sangue para despertar a consciência da população sobre a importância desse ato e estimular as doações periódicas.

A ideia surgiu em 2011, quando as irmãs Debi Aronis e Diana Berezin lançaram o Movimento Eu Dou Sangue no estado de São Paulo motivadas por um episódio familiar. “Somente quem vive a dificuldade de conseguir sangue sabe a importância das doações. Depois de sentir na pele o que é isso, decidimos disseminar e promover a conscientização para que esse seja um hábito permanente no Brasil”, explica Debi.

Depois de ser adotado em diversas cidades brasileiras, a iniciativa foi promovida, no último dia 15 de março, a lei estadual (no 16.386) em todo estado de São Paulo. “Os brasileiros precisam fazer da doação de sangue um hábito em suas vidas porque, até o momento, não há substituto para o sangue”, ressalta Diana.

Na capital paulista, diversos pontos serão iluminados, dentre eles a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, o Palácio dos Bandeirantes, o Memorial da América Latina e a Sala São Paulo.

Além da temperatura, outros fatores que contribuem para a redução dos estoques são o maior número de dias chuvosos e a ocorrência de feriados. Segundo as idealizadoras, nesse período, os hemocentros tendem a sofrer uma baixa de 30% em seus estoques. “Por incrível que pareça, a falta d’água é muito mais compreensível que a falta de sangue. Abastecer reservatórios depende das condições climáticas, da chuva cair no lugar certo, de Deus ou de São Pedro como dizem alguns. Mas abastecer os bancos de sangue, só depende de nós mesmos! ”, comenta Diana.

O sucesso da iniciativa é comprovado pelos números registrados durante as campanhas anteriores. Em junho de 2016, as doações de sangue no Estado de São Paulo aumentaram 30% na comparação com o mesmo período de 2015.

SST nos frigoríficos: em ritmo lento

Recente operação deflagrada pela Polícia Federal em março desse ano, intitulada Carne Fraca, chamou a atenção do mundo para os frigoríficos brasileiros, mais propriamente para a qualidade da carne produzida no Brasil e comercializada dentro do país e no exterior. Maior exportador mundial de carne bovina e frango, e segundo maior produtor, perdendo apenas para os Estados Unidos, o Brasil produziu em 2016 mais de 25 milhões de toneladas de carnes, sendo que 25% desse volume teve como destino as exportações.

Agora, esse grande volume de produção levanta outro questionamento importante: com está a qualidade dos cuidados à saúde e segurança oferecidos aos trabalhadores do setor? Levando em consideração todo o processo produtivo, desde o abate até a embalagem das carnes, o trabalhador é exposto a ambientes insalubres, baixas temperaturas, umidade, agentes biológicos, ferramentas cortantes, além do ritmo acelerado de trabalho nas linhas de produção, que exige repetitividade de movimentos, e pode acarretar muitos adoecimentos osteo musculares. A amônia também tem sido uma grande vilã dos frigoríficos, cujos vazamentos prejudicam tanto os trabalhadores quanto o entorno da empresa.

Nesta reportagem faremos um balanço sobre como anda o cenário nacional em relação à SST nos estabelecimentos responsáveis pelo abate e processamento de carnes, discutindo sobre sua evolução desde a regulamentação da NR 36 e o que ainda falta para a total adequação dessas plantas.

De acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), no ano passado, o Brasil bateu seu recorde no abate de frangos, atingindo a marca de 5,9 bilhões, além de ter contabilizado 42,3 milhões de suínos e 29,7 milhões de cabeças de gado. Enquanto os estados da Região Sul lideram na produção avícola e suína, o Mato Grosso continua liderando o ranking no abate de bovinos, seguido de perto pelo Mato Grosso do Sul, Pará, São Paulo e Goiás.

O grande crescimento do setor frigorífico ao longo dos anos e seu importante papel na economia do país impulsionou sua modernização no que se refere à tecnologia e à automação, mas a realidade é que a maior parte dos processos que leva a proteína animal à mesa dos consumidores ainda conta com a mão de obra do trabalhador. Até o último levantamento da RAIS para o ano de 2015, essa demanda era realizada por 463.205 colaboradores, espalhados pelos 4.303 estabelecimentos ativos dentro do território nacional.

As atividades desenvolvidas por esses trabalhadores durante o abate e processamento de carnes, que em sua grande maioria acontecem no mesmo local, vão desde o sacrífico do animal, a sangria, escaldagem e depenagem (no caso das aves), evisceração, cortes, desossa até a embalagem e expedição do produto final. A regulamentação referente aos cuidados à saúde e segurança durante o trabalho desses colaboradores está vigente desde 2013, mas a quantas será que anda a implantação dessas exigências no dia a dia dentro dos frigoríficos? E será que elas têm sido capazes de neutralizar os perigos desses ambientes, que englobam uma série de riscos ocupacionais listados pelo Ministério do Trabalho?

(Fonte: Revista Proteção)