SST nos frigoríficos: em ritmo lento

Curta e compartilhe essa publicação

Recente operação deflagrada pela Polícia Federal em março desse ano, intitulada Carne Fraca, chamou a atenção do mundo para os frigoríficos brasileiros, mais propriamente para a qualidade da carne produzida no Brasil e comercializada dentro do país e no exterior. Maior exportador mundial de carne bovina e frango, e segundo maior produtor, perdendo apenas para os Estados Unidos, o Brasil produziu em 2016 mais de 25 milhões de toneladas de carnes, sendo que 25% desse volume teve como destino as exportações.

Agora, esse grande volume de produção levanta outro questionamento importante: com está a qualidade dos cuidados à saúde e segurança oferecidos aos trabalhadores do setor? Levando em consideração todo o processo produtivo, desde o abate até a embalagem das carnes, o trabalhador é exposto a ambientes insalubres, baixas temperaturas, umidade, agentes biológicos, ferramentas cortantes, além do ritmo acelerado de trabalho nas linhas de produção, que exige repetitividade de movimentos, e pode acarretar muitos adoecimentos osteo musculares. A amônia também tem sido uma grande vilã dos frigoríficos, cujos vazamentos prejudicam tanto os trabalhadores quanto o entorno da empresa.

Nesta reportagem faremos um balanço sobre como anda o cenário nacional em relação à SST nos estabelecimentos responsáveis pelo abate e processamento de carnes, discutindo sobre sua evolução desde a regulamentação da NR 36 e o que ainda falta para a total adequação dessas plantas.

De acordo com dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), no ano passado, o Brasil bateu seu recorde no abate de frangos, atingindo a marca de 5,9 bilhões, além de ter contabilizado 42,3 milhões de suínos e 29,7 milhões de cabeças de gado. Enquanto os estados da Região Sul lideram na produção avícola e suína, o Mato Grosso continua liderando o ranking no abate de bovinos, seguido de perto pelo Mato Grosso do Sul, Pará, São Paulo e Goiás.

O grande crescimento do setor frigorífico ao longo dos anos e seu importante papel na economia do país impulsionou sua modernização no que se refere à tecnologia e à automação, mas a realidade é que a maior parte dos processos que leva a proteína animal à mesa dos consumidores ainda conta com a mão de obra do trabalhador. Até o último levantamento da RAIS para o ano de 2015, essa demanda era realizada por 463.205 colaboradores, espalhados pelos 4.303 estabelecimentos ativos dentro do território nacional.

As atividades desenvolvidas por esses trabalhadores durante o abate e processamento de carnes, que em sua grande maioria acontecem no mesmo local, vão desde o sacrífico do animal, a sangria, escaldagem e depenagem (no caso das aves), evisceração, cortes, desossa até a embalagem e expedição do produto final. A regulamentação referente aos cuidados à saúde e segurança durante o trabalho desses colaboradores está vigente desde 2013, mas a quantas será que anda a implantação dessas exigências no dia a dia dentro dos frigoríficos? E será que elas têm sido capazes de neutralizar os perigos desses ambientes, que englobam uma série de riscos ocupacionais listados pelo Ministério do Trabalho?

(Fonte: Revista Proteção)


Curta e compartilhe essa publicação
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *