Você sabe o que é um Modelo de Análise e Prevenção de Acidentes?

Curta e compartilhe essa publicação

prevenção de acidentes

Ter um local de trabalho seguro é importante para que qualquer atividade seja exercida com qualidade, principalmente quando se trata de empresas com grande expansão no mercado de atuação. Para diminuir os riscos de operação e aumentar a qualidade de vida dos colaboradores (dentro e fora da empresa), existe o Modelo de Análise e Prevenção de Acidentes (MAPA).

Com a metodologia, é possível analisar os acidentes que já aconteceram e estudar práticas para que eles sejam evitados. Neste post, você entenderá um pouco mais desse modelo. Boa leitura!

Do que se trata o modelo?

O Modelo de Análise e Prevenção de Acidentes (MAPA) tem como objetivo prevenir acidentes a partir de casos práticos e verdadeiros. Com a experiência da indústria brasileira e mundial, foi possível desenvolver estratégias que possam ajudar na rotina operacional das empresas. A aplicação do MAPA deve considerar várias variáveis, como:

  • estrutura local;
  • número de horas trabalhadas;
  • atividade desenvolvida;
  • quantidade de funcionários em operação.

Ao analisar um acidente de trabalho, deve-se definir o que é acidente, quase acidente e incidente. Por um lado, um acidente é um evento que resulta em lesão, doença, outras perdas e até mesmo em morte. Por outro lado, um incidente pode ser definido como um evento que originou o acidente ou que poderia ocasioná-lo (caso não ocorra lesão, doença, dano ou outra perda, é denominado como quase acidente).

Um quase acidente é qualquer tipo de ocorrência inesperada (quando relacionada a trabalhadores ou equipamentos), mas que por pouco não se tornou um acidente.

A investigação deve ser bem minuciosa, uma vez que os acidentes trazem grandes perdas para as instituições, bem como para os trabalhadores e suas famílias. Além disso, toda a sociedade é prejudicada quando o problema ocorre, uma vez que a preservação da saúde do povo é dificultada.

Com a informação de uma ocorrência, a equipe de investigação deverá se inteirar sobre o tipo do caso que será investigado, para que seja possível uma preparação técnica.

Como funciona?

Um acidente precisa de investigação prática. É recomendado que os membros da CIPA tenham uma espécie de “kit”, contando com papel, lápis, borracha, caneta prancheta, máquina fotográfica e trena.

Para escolher o método de investigação, deve-se considerar a complexidade da ocorrência investigada. Em casos em que as condições de trabalho desrespeitam a legislação e regras consagradas de segurança, a tarefa é mais fácil de ser conduzida. Entretanto, há situações mais complexas, em que há vários fatores. Nesse caso, o modelo deve ser capaz de contemplar todos desde o seu início.

Coletar os dados é crucial para que a avaliação seja benfeita. Ela deve ser realizada no local da ocorrência. Com uma boa coleta, é possível compreender como o acidente aconteceu, como se fosse uma cena com um passo a passo.

Sistematizar a coleta de dados torna a tarefa mais fácil, uma vez que aspectos importantes serão sempre considerados.

Quais são os objetivos?

Os objetivos da análise e prevenção de acidentes são:

  • prevenção de acidentes do trabalho;
  • difusão da compreensão dos acidentes do trabalho como uma rede de fatores (em vez de ver, simplesmente, os atos e condições inseguras);
  • identificação de quais são as redes de fatores de acidentes, bem como a interação que proporcionou o evento;
  • investigação do funcionamento habitual do trabalho, além das origens de mudanças e alterações que acontecem e contribuem para os eventos (além de quais são as principais barreiras para o funcionamento mais seguro);
  • avaliação, com casos específicos, de todos os fatores que estão relacionados ao gerenciamento de riscos que foi adotado na organização, servindo para contribuir com a prevenção de eventos futuros.

Quais são os tipos existentes?

Como há vários tipos de acidentes, existem, também, vários modelos. Confira agora os principais!

1. Modelo jogo de dominó

Os eventos devem ser analisados em ordem para descobrir quais foram os motivos do acidente. Ou seja, o principal objetivo é encontrar o que causou a irregularidade na sequência normal e segura do trabalho.

2. Modelo queijo suíço

Utilizado para prevenir acidentes e garantir a segurança dos trabalhadores nas barreiras de proteção. Cada problema é visto como um buraco na atividade profissional. Ou seja, quanto mais buracos existirem, maior será a probabilidade de acidentes.

Para garantir a segurança e prevenir acidentes nas barreiras de proteção, usa-se o MAPA queijo suíço. Os problemas motivadores que causam a situação são analisados como buracos no ambiente de trabalho. Assim, quanto maior o número de buracos, maior será a chance de acidentes nas barreiras de proteção.

3. Modo de falha e análise de efeitos

Também chamado de FMEA, o modelo tem como objetivo prever erros e analisar as falhas existentes no ambiente profissional. Com isso, é possível minimizar os riscos existentes e propor melhorias.

4. Análise preliminar de riscos

Também conhecida como a APR, o modelo estuda acidentes dentro de alguma atividade. A análise começa antes que as atividades se iniciem, já que não é possível implementar, por falta de conhecimento, um modelo de prevenção.

5. Diagrama de causa e efeito

O modelo (também chamado de espinha de peixe) é uma forma de organizar hierarquicamente as causas possíveis de acidentes e determinar melhorias. Os problemas e as causas são relacionados pelo conceito 6M (mão de obra, máquinas, materiais, medidas e meio ambiente).

Quais são as vantagens?

Dentre as principais vantagens, estão:

  • ação preventiva, entendendo quais são os principais problemas na rotina do trabalho;
  • estudo dos acidentes, procurando entender como os fatores colaboraram para o fato e como evitá-lo;
  • estudo setorial antes mesmo que as atividades sejam iniciadas;
  • bem-estar e segurança dos colaboradores, bem como maior motivação para viver no ambiente empresarial.

O que é preciso fazer para implementá-lo?

Para implementar, deve-se fazer um levantamento dos vários cenários empresariais, como os tipos de acidentes mais comuns e os setores com maiores riscos. Deve-se considerar também os estudos de riscos de cada setor. Para tanto, é necessário ter apoio de profissionais especializados na segurança do trabalho dos colaboradores e de toda a empresa.

Ao investigar acidentes de trabalho, a coleta de dados deve ser realizada com a ajuda de atividades em desenvolvimento, que normalmente contam com os seguintes componentes:

  • indivíduo — os colaboradores devem passar por qualificação, treinamento de acordo com trabalho habitual, considerando o acidente;
  • tarefa — quais tarefas os trabalhadores executam, bem como as condições de trabalho deles, considerando o acidente;
  • material — as máquinas, equipamentos e matérias-primas que são usadas na execução da tarefa, além do meio de trabalho (meio social da empresa, como pessoal, hierarquia e relações sociais) e da forma de organização do trabalho.

As recomendações para analisar os acidentes de trabalho são:

  • fotografar e filmar todo o cenário relacionado ao acidente, fazendo os devidos esquemas;
  • descrever como eram as instalações físicas, nível de ruído, condições de iluminação, posição de máquinas, entre outros fatores;
  • verificar quais eram os tipos de energia utilizados, descrevendo as máquinas e os equipamentos usados (forma de acionamento e alimentação, e quais são os tipos);
  • informar como a atividade é executada normalmente;
  • identificar quais são as condições habituais de trabalho, bem como as mudanças que ocasionaram o acidente — deve-se, também, identificar quais foram as situações que permitiram que as modificações acontecessem;
  • descrever quais foram as mudanças que provocaram dificuldades além do limite tolerado (são situações que não foram resolvidas com a utilização das estratégias adotadas no momento sem acidente);
  • se não é possível esclarecer as causas das variações, deve-se explorar possibilidades e procurar evidências (diretas ou indiretas) para a ocorrência;
  • confirmar as informações colhidas em entrevistas, para aumentar a fidelidade da análise.

Trabalhar com a análise e prevenção de acidentes é fundamental para garantir que os colaboradores tenham melhores condições de trabalho e se sintam mais seguros para exercer suas atividades plenamente. Além disso, a empresa poderá evitar acidentes, que sempre causam dificuldades para as instituições, como multas e afastamentos.

Se você gostou deste artigo, compartilhe-o agora mesmo em suas redes sociais!

Powered by Rock Convert

Curta e compartilhe essa publicação
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *