Os indicadores de segurança do trabalho são ferramentas estatísticas utilizadas para medir ou dimensionar eventos de interesse nesse segmento, em especial para a prevenção de acidentes. Sua importância reside, portanto, na capacidade de mostrar como as coisas estão indo quanto à segurança no ambiente de trabalho.

Assim, por exemplo, considere o indicador “quantidade de dias sem acidentes”, muito comum nos placares da CIPA expostos logo na entrada das empresas. Com ele, é possível avaliar como estão as ações preventivas adotadas, isto é, se estão de fato evitando acidentes ou não.

Neste post você entenderá a importância dos indicadores de segurança do trabalho para as empresas, além de conhecer os principais tipos e entender como implementá-los no seu negócio. Acompanhe e entenda!

A importância de usar indicadores de segurança do trabalho

Acompanhar indicadores de segurança do trabalho permite que a empresa tenha acesso a informações privilegiadas sobre os riscos laborais e métricas em saúde. Tais informações são essenciais no planejamento organizacional e definição de estratégias para o desenvolvimento de um ambiente saudável.

Imagine, por exemplo, uma empresa com 500 funcionários que tem um diagnóstico de 50 acidentes de trabalho ano. Essa métrica aponta para uma possível deficiência na segurança da empresa. Por outro lado, se essa mesma empresa tiver dois acidentes de trabalho por ano, é sinal de que suas ações estão mais bem estruturadas e próximas do nível máximo de eficiência.

Por isso, definir quais serão os indicadores de segurança de trabalho utilizados dentro da empresa podem ajudar no seu planejamento estratégico, na definição de metas e na melhora global dos resultados da organização empresária.

Conheça os principais indicadores de segurança do trabalho

Hoje, é possível apontar inúmeros indicadores que podem ser utilizados na área de segurança do trabalho. A seguir, elencamos alguns dos principais para que você entenda um pouco mais sobre o conceito e aplicação prática de cada um deles. Acompanhe!

Taxa de frequência de acidente

Toda empresa deve possuir um cadastro de acidentes do trabalho capaz de fornecer dados por meio de indicadores universais. Um desses padrões de referência é a taxa de frequência de acidente.

Esse indicador é utilizado para apontar se existe necessidade relativa de se tomar medidas de prevenção em um determinado setor da empresa. Dessa forma, mede a performance dos processos avaliados, assim como da própria organização quanto à segurança do trabalho.

A taxa de frequência de acidente é o número de acidentes ocorridos por milhão de horas-homem de exposição ao risco. Esse indicador é sempre calculado para um determinado período.

Taxa de gravidade

Assim como o anterior, esse também é um indicador padrão para avaliação de acidentes ocorridos na empresa. Desse modo, sua utilização se faz sobretudo para avaliação da necessidade de medidas preventivas de segurança do trabalho em um determinado setor da organização.

A taxa de gravidade representa a quantidade de tempo perdida (medido em dias) em razão de acidentes do trabalho ocorridos na empresa. Como a taxa de frequência, também é calculada com base em cada milhão de horas-homem de exposição ao risco.

Indicador de intervalo de tempo

Esse indicador é o que foi citado como exemplo na introdução deste post. Trata-se da aferição do tempo (geralmente medido em dias) transcorrido sem acidentes do trabalho e que reflete explicitamente os cuidados preventivos realizados.

O indicador de intervalo de tempo pode ser fragmentado e apontar valores de classes mais específicas. Assim, por exemplo, pode-se falar em números de dias sem acidentes com afastamento, assim como números de dias sem qualquer acidente.

Nível de produtividade da equipe

Na ocorrência de algum acidente do trabalho que provoque o afastamento de um colaborador, a produtividade da equipe poderá ficar comprometida. Desse modo, a utilização desse indicador permite mostrar o efeito do acidente no desempenho final de um setor da empresa.

Além disso, o nível de produtividade da equipe é diretamente afetado por fatores que também podem ser considerados na avaliação. Assim, a incidência de doenças e o afastamento por condições de saúde repentinas, entre outras, se traduzirão em quebra na produtividade da equipe.

Quantidade de EPIs

As empresas devem fornecer o equipamento de proteção individual (EPI) necessário à atividade desenvolvida pelo colaborador. Esse indicador afere a quantidade de EPIs que foram entregues aos funcionários.

A partir dessa métrica, pode-se, por exemplo, avaliar se há o uso do equipamento de forma adequada — afinal, o mau uso gera maior consumo do EPI avaliado.

Por outro lado, o indicador também permite verificar se os itens não estão sendo empregados com a demanda cabível. Nesse caso, a pequena utilização pode indicar aumento de exposição a riscos de acidentes.

Número de encontros da CIPA

A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) deve realizar encontros periódicos para planejamento e para ações efetivas de prevenção. Quando o número desses encontros é reduzido pode refletir uma deficiência na atuação da comissão que precisa ser corrigida.

A CIPA tem papel relevante nas iniciativas voltadas para o cuidado preventivo. Nesse sentido, o indicador número de encontros da CIPA reflete diretamente o cumprimento de sua missão.

Número de treinamentos promovidos

Treinamentos são essenciais para a preservação da saúde e da segurança no ambiente laboral. Assim como o indicador anterior, o número de treinamentos promovidos reflete os cuidados com a prevenção que devem ser tomados pela equipe de segurança do trabalho.

Dessa forma, sua aferição permite avaliar a necessidade de maiores investidas em capacitação e treinamento dos colaboradores. A importância desse indicador aumenta quando seus dados são cruzados com outros como o número de acidentes ocorridos.

Número de inspeções realizadas

As inspeções realizadas pelo Técnico em Segurança do Trabalho quase sempre são motivadas pela existência de determinados focos de risco ou pela fragilidade de algum setor em termos de segurança. Do mesmo modo, as inspeções da CIPA devem ser consideradas ações preventivas realizadas.

Assim, esse indicador permite avaliar o quanto os responsáveis pela condução das ações de segurança do trabalho estão promovendo a verificação das condições de segurança daqueles setores. Pode-se associar os resultados obtidos relacionando-os, por exemplo, à redução de acidentes observada naquelas áreas mais suscetíveis.

Indicadores de participação

É interessante que a empresa busque mecanismos para incentivar os seus colaboradores para que eles participem ativamente de ações e discussões envolvendo a segurança do trabalho.

É justamente nesse contexto que entram os indicadores de participação. Ele mede a quantidade de relatos trazidos pelos próprios colaboradores de eventuais incidentes ou riscos presentes no seu dia a dia de trabalho. Isso pode incluir, por exemplo, condições inseguras de trabalho como um piso escorregadio ou um móvel sem proteção.

Indicadores de solução de problemas

Além de incentivar os colaboradores a participarem e apontarem eventuais riscos no ambiente de trabalho, há também a possibilidade de estimular a participação para que eles apontem soluções para os problemas observados.

Os indicadores de solução de problemas visam avaliar o número de casos apontados e a quantidade deles que foram efetivamente solucionados.

Quantidade de manutenções preventivas realizadas

As manutenções preventivas em máquinas e equipamentos constituem uma das principais estratégias de segurança do trabalho. Afinal, o mau funcionamento desses itens pode levar a inúmeros acidentes.

Dessa forma, avaliar o número de manutenções preventivas realizadas em comparação com a quantidade planejada é um bom indicador das ações de segurança promovidas pela empresa. A leitura desse indicador é mais bem aproveitada quando associada às variações no número de acidentes no setor.

Quantidade de doenças ocupacionais

As doenças ocupacionais são aquelas oriundas da atividade desenvolvida pelo colaborador ou por ação de seu ambiente de trabalho. Sua incidência pode afetar a integridade física e psíquica do funcionário, além de indicar a ocorrência de possíveis surtos.

Por sua vez, também reflete diretamente no desempenho da equipe e pode representar custos significativos para a empresa. Dessa forma, sua aferição permite avaliar as demandas por ações preventivas que evitem a ocorrência de tais doenças.

Definindo os indicadores que serão utilizados na sua empresa

Como você pode ver, há diversos indicadores que podem ser monitorados em termos de segurança do trabalho. A adoção ou não de um indicador depende muito da realidade de cada negócio, por isso é importante avaliar as particularidades da empresa e as métricas que melhor se adaptam a ela.

Para facilitar a definição dos indicadores, é interessante ter em mente o objetivo do indicador e a qualidade da informação que ele vai trazer para a empresa. Um indicador de segurança do trabalho deve traduzir fatos concretos, ser de fácil compreensão e interpretação, baixo custo e abranger o negócio de uma forma ampla.

Além disso, é interessante considerar o impacto a longo prazo que a análise dessas informações trará para o seu negócio. Implementar soluções inteligentes e estratégicas ajuda no crescimento da organização e reduz o risco de passivos trabalhistas para o seu negócio.

Com esses principais indicadores de segurança do trabalho sua empresa pode realizar uma boa apreciação das condições de segurança que promove. Assim, pode avaliar se há necessidade de intervenção em algum aspecto para assegurar que os cuidados preventivos sejam sempre adotados.

Se você ainda tem algum tipo de dúvida sobre os indicadores de segurança do trabalho, entre em contato conosco. Nossa equipe está pronta para solucionar seus problemas.